Header Ads

Gretchen faz declaração polêmica sobre palmadas em crianças e gera controvérsias

"Tem que bater na criança, sim"


A eterna rainha do rebolado causou a maior polêmica após fazer revelações em um dos vídeos em seu canal no YouTube, 'Gretchen e Você'. Gretchen, que hoje vive em Portugal com seu marido Carlos Marques e seus filhos, fez uma declaração recentemente afirmando ser contra a lei da palmada, lei essa que proíbe o uso de castigos físicos contra crianças e adolescentes no Brasil.


No vídeo em seu canal, cantora responde perguntas enviadas por seus fãs, e foi um desses questionamentos em que ela disparou seu posicionamento que causou controvérsias entre os internautas. Após a pergunta do internauta, ela declara: “Eu sou mãe à moda antiga. Ainda acho que tem que ter uma palmada, sim!”.

Entretanto, diz que não vai bater no filho quando tiver com "20 ou 30 anos", afinal, ultimamente a educação está mais evoluída. Porém, reafirma que na criança, tem que ter uma palmadinha, ainda relata que todos os seus sete filhos tomaram palmadas na mão e até na boca quando falavam alguma mentira ou palavrão.




Uma publicação compartilhada por Gretchenoficial (@mariagretchen) em

As polêmicas da rainha do bumbum não pararam por aí. A artista que hoje é mãe de cinco adultos, uma adolescente de 15 anos e uma criança de 9 anos, tentou amenizar a situação explicando que não bate mais na filha adolescente, Giulia. “Hoje eu não bateria na Giulia porque a gente mantém uma relação de confiança, amizade e troca. Ela me conta tudo o que vai fazer. Eu também procuro entender os motivos quando ela não quer fazer alguma coisa que eu peço. Ela também procura entender os motivos como mãe, e a gente consegue ir levando essa fase de adolescência, que é mais difícil”.

Em seguida, Gretchen segue afirmando que se tivesse que dá palmadas em seu filho mais novo, de 9 anos, e caso tivesse outro filho hoje, ele também cresceria da mesma forma, e reitera que tem dado certo. Porém, ela abre uma ressalva para explicar que nunca espancou nenhum deles, e reafirma que não é a favor do espancamento, nem de bater.